Google+ Followers

quarta-feira, julho 22, 2009

Fotógrafos de Sempre- Robert Capa


http://aeiou.expresso.pt/as-fotografias-miticas-de-robert-capa-no-dia-d=f519294

http://pt.wikipedia.org/wiki/Robert_Capa

Endre Ernő Friedmann, de nacionalidade húngara, fundador da Magnum, juntamente com Cartier Bresson e Seymour, distinguiu-se pela sua capacidade de captar os instantes de guerra no seu maior dramatismo. A fotografia não se constituiu inicialmente como o seu interesse primordial. Os seus primeiros interesses recaíram sobre os ideais marxistas, que o levaram a ter de se exilar para Berlim, matriculando-se depois na Faculdade de Ciências políticas. É por via do jornalismo, ao fotografar Trotsky num período conturbado, que se inicia como autodidacta na fotografia. É todavia em 34, quando conhece e se apaixona por Gerda Taro, ela também fotógrafa, que nasce verdadeiramente o personagem Robert Capa, criada por ambos, pseudónimo pelo qual se tornou mundialmente conhecido. Parte com Gerda para o campo de batalha durante a guerra civil espanhola, perdendo a sua companheira a vida um ano depois. Segue-se o conflito sino-japonês, a França durante a ocupação nazi, mais tarde Inglaterra, Argélia, participando em 44 no desembarque da Normandia, do qual fez um número imenso de negativos, dos quais só se conseguiram salvar 12.
A sua fotografia mais conhecida- " a morte do soldado legalista" tem sido alvo de intensos debates, questionando-se da autenticidade do momento.
Se a sua fotografia de guerra é marcadamente interventiva denunciando a violência e o horror da guerra, as outras fotografias dizem-nos bem da qualidade do olhar do homem que nos disse :"Se as fotografias não são suficientemente boas, é porque não se está suficientemente perto".
Talvez por isso, foi encontrado morto em 54 na Guerra da Indochina, ao ter sido atingido por uma mina terrestre.

1 comentário:

Não são permitidos comentários anónimos