Google+ Followers

terça-feira, novembro 18, 2008

Um Quadro de Brauner

(Brauner)
Brauner põe-se a pintar
a procura o fundo apego
do homem à pele do medo

Desfaz as linhas do corpo
como se linhas da mão
dá ao sexo o lugar
que dá à flor

Brauner pinta com a língua
ou outro orgão de amor
o que o braço não podia

tanto é a cor mais dura
como o peso da sabedoria

Mostrar um pássaro na mão
é o que Brauner consegue
mas tão-sòmente essa mão
pica no pássaro que a fere

Mostrar o orifício oco
da orelha colocada
no lado onde a sentimos
ouvir e morrer calada

sobre o veneno do bico
tentando beijá-lo abri-lo
tentando ouvi-lo escutá-lo

O ser que pode ser
aquilo que Brauner não quer
move-se na tela com medo

de quem perdeu a sombra
num deserto ao meio-dia
uma claustrofobia
do espírito dentro da luz.

(Luíza Neto Jorge- Terra Imóvel)

1 comentário:

  1. Levei algum tempo a gostar da sua poesia mas agora leio-a frequentemente.

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos