Google+ Followers

quinta-feira, fevereiro 28, 2008

Despejo no papel o líquido da noite...


Filosofia da composição

Há noites em que a poesia chega
até mim por uma janela da alma - a mais
pequena das janelas da alma,
essa que só deixa passar um fio
de luz e, com ele o fio
do poema.

Então, recolho-a nesse copo
abstracto por onde vejo, à trans-
parência do vidro, a cor mineral
da noite, e toco com os dedos
a superfície límpida
de uma água de palavras
e de lua.

Por fim, despejo no papel
o líquido da noite, com o seu fio
de luz e essa linha de música em
que o poema se inscreve e
ele escorre ao longo dos versos que
ficam húmidos, com os
teus cabelos depois do amor,
quando as janelas da alma se abrem
para deixar entrar a chuva
da vida.

(Nuno Júdice-Geometria variável)