Google+ Followers

sexta-feira, dezembro 21, 2007

É amor sem ontem nem amanhã..


No tempo que lhe foi dado viver, as pessoas serviam-se do corpo como de uma muralha impenetrável ao sentimento, uma arma frágil, corroída pelo pecado original, amesquinhada pelo pó da terra e pela rudeza dos instintos. Não se sabia nada sobre a química dos afectos nem sequer se suspeitava da existência de uma razão crítica universal que nos define e fortalece como seres humanos. Por isso se projectava o amor num céu futuro - um céu que já conquistámos, Sebastião, e que é feito de matéria estelar que compõe os nossos corpos. Há é pouca gente para dar por isso, ainda, porque o óbvio cega mais do que a cegueira.
O Brasil já conhece este amor; nele reside a sua espantosa energia. Este amor fino, generoso, que se respira em feliz inconsciência, nasce do convívio quotidiano com a morte e com a música, com a dança e o desaparecimento. É amor sem ontem nem amanhã, sem cálculos nem poupanças, instantaneamente eterno. Partilho-o no corpo do meu amante Emanuel e na gargalhada da minha amiga Clara, e nessa partilha o multiplico, de modo a que, se Clara e Emanuel desaparecerem amanhã debaixo de uma chuva de balas, do trovão de uma doença, ou do simples tédio da minha presença, eu possa prosseguir com ele dentro de mim.

(Inês Pedrosa - A Eternidade e o Desejo)

3 comentários:

  1. Passei para desejar um Feliz Natal e um Fenomenal Ano de 2008.

    ResponderEliminar
  2. um amor sem ontem nem amanhã é a suprema ambição;
    normalmente cobramos facturas e fazemos planos,como seres humanos imperfeitos que somos.

    ResponderEliminar
  3. Um amor sem tempo ou melhor, um amor que condensa o tempo de ontem hoje e amanhã num único, num tempo eterno, suspenso no nosso coração.
    Um Feliz Natal.

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos