Google+ Followers

quarta-feira, junho 29, 2011

Ao longe o mar segreda nomes de brinquedos caros...

  (Silva Porto)

Aqui de longe parece que o pai é um navio grande e preguiçoso e o Lito é um rebocador maluco que vai levar o barco gigante a encalhar nas rochas. O tio Nelo deita-se na toalha e lê o jornal a falar até dormir. A mãe monta o pára-vento, estende toalhas e tira o creme de Sol para me besuntar. A mãe põe o creme de Sol e eu adormeço com as mãos dela. Mesmo de olhos fechados vejo o sol cor-de-laranja a passar para os meus olhos. Encosto-me à mãe e durmo a pensar nas prendas. Ao longe o mar segreda nomes de brinquedos  caros e os gritos do Lito ao longe fazem lembrar com os amigos a roubar creme ao bolo. O pai não ouve ao longe porque fala pouco ao perto. o tio Nelo ressona quase tão alto como fala, mas a mãe dá-lhe um chuto para ele acordar arrelampado e voltar a dormir, desta vez sem barulho.  O mar está bonito, mas estava mais bonito se tivesse um barco com o meu pai em cima dele. A mãe está quente, o ar também. Corre um vento pequeno só para o dia dizer que ainda é de manhã e durmo melhor do que em casa, mesmo sem cobertor.
E a areia estava toda a dormir até um vento levantar um pé que me acorda a cara com salpicos de quem foi à água e em coro diz:
- Vamos à água. Está tão boa.
Eu finjo dormir com todas as forças e entreabro a luz para os ver sem eles me verem, mas acontece o contrário e vêem-me sem eu saber quem são e pegam em mim pela areia e pelo ar até estar junto de água. É tudo tão rápido que nem chego a chorar, fico num pânico seco e surdo, como um corpo tenso como o que segura a bandeira amarela lá no fundo. Agarro-me ao que posso e pelo que consigo agarrar é o io Neli que me leva. Agarro-me aos pêlos que ele leva nas costas, mas fico com eles nas mãos até que a mãe, brinca com ela e, entre dois sorrisos e três beijos, afrouxa-lhe o braço e pega em mim com um saco esguio que já só tem batatas a meio.
- Anda, filho. Anda ao mar com o pai.- Diz o pai.
E quando ele diz, fico a saber que o mar existe também para mim e dá-me medo. Começa o pai a entrar no mar e eu subo por ele como se um tesouro estivesse na vigia. Continua o mar pai adentro até não haver remédio e os meus pés e as minhas pernas estarem lá em baixo com os peixes.(...)

(João  Negreiros- O mar que a gente faz)

3 comentários:

  1. Muito belo este excerto.Um abraço amigo

    ResponderEliminar
  2. Há palavras que são puros quadros vivos! Belíssimo!

    ResponderEliminar
  3. Um pesadelo que me lembra tempos idos...!

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos