Google+ Followers

terça-feira, dezembro 23, 2008

A pena não acode ao gesto seu...


Soneto de natal

Um homem, — era aquela noite amiga,
Noite cristã, berço do Nazareno, —
Ao relembrar os dias de pequeno,
E a viva dança, e a lépida cantiga,

Quis transportar ao verso doce e ameno
As sensações da sua idade antiga,
Naquela mesma velha noite amiga,
Noite cristã, berço do Nazareno.

Escolheu o soneto . . . A folha branca
Pede-lhe a inspiração; mas, frouxa e manca,
A pena não acode ao gesto seu.

E, em vão lutando contra o metro adverso,
Só lhe saiu este pequeno verso:
"Mudaria o Natal ou mudei eu?"

(Machado de Assis)

4 comentários:

  1. Belo poema - e a imagem que nos lembra que «o essencial é invisível para os olhos» e que a morte suave é apenas um regresso à verdadeira vida - o nosso planeta, a nossa flor «única no mundo», os nossos pôr do sol «quando estamos tristes»(mas não só...).Feliz natal, amiga1

    ResponderEliminar
  2. Obrigada pela bela articulação que fez! Um abraço amigo neste Natal!

    ResponderEliminar
  3. Entre o Petit Prince e a raposa esta mão cheia de afecto.

    ResponderEliminar
  4. Um feliz Natal cheio de sonhos... sempre.
    Beijinho e Obrigada.

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos