Google+ Followers

quarta-feira, março 15, 2006

A palavra é uma estátua submersa...





A palavra é uma estátua submersa,um leopardo
que estremece em escuros bosques,uma anémona
sobre uma cabeleira.Por vezes é uma estrela
que projecta a sua sombra sobre um torso.
Ei-la sem destino no clamor da noite,
cega e nua,mas vibrante de desejo
como uma magnólia molhada.Rápida é a boca
que apenas aflora os raios de uma outra luz.
Toco-lhe os subtis tornozelos,os cabelos ardentes
e vejo uma água límpida numa concha marinha.
É sempre um corpo amante e fugidio
que canta num mar musical o sangue das vogais.

António Ramos Rosa (de Acordes-1989)

1 comentário:

  1. para os poetas as palavras aão assim: têm vida, amam, falam, acariciam e preenchem vazios.

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos