Google+ Followers

terça-feira, março 28, 2006

O corpo não espera...




O corpo não espera. Não. Por nós
ou pelo amor. Este pousar de mãos,
tão reticente e que interroga a sós
a tépida secura acetinada,
a que palpita por adivinhada
em solitários movimentos vãos;
este pousar em que não estamos nós,
mas uma sêde, uma memória, tudo
o que sabemos de tocar desnudo
o corpo que não espera; este pousar
que não conhece, nada vê, nem nada
ousa temer no seu temor agudo...

Tem tanta pressa o corpo! E já passou,
quando um de nós ou quando o amor chegou.

Jorge de Sena

4 comentários:

  1. Lindo,lindo... quase sem palavras para qualquer comentário!

    ResponderEliminar
  2. A corrida inexorável e indomada do tempo em todos os campos, inclusive no percurso amoroso. E que bem é descrito o desfasamento do tempo corporal e do tempo emocional... dois registos que não vivem um sem o outro.

    ResponderEliminar
  3. O corpo é como o tempo, não espera ... Lindas palavras!!!

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos