Google+ Followers

quinta-feira, setembro 03, 2009

As dores que me pertencem são fáceis...


Hoje, depois de escrever dez horas seguidas e sentindo-me cansado demais para continuar, levantei-me da mesa e tirei um livro da estante do corredor. Calhou ser Dickens, numa edição barata da Wordsworth.
Tempos Difíceis. Abri-o onde resolveu abrir-se e apareceram quatro linhas mágicas: um filho visita a mãe, velha e muito doente. Pergunta
- Sente dores, mãezinha?
e ela responde
-Tenho ideia que anda uma dor por aí mas não estou certa de me pertencer
e fiquei parvo com isto. Entre parênteses adoro ficar parvo com o que os outros escrevem: só costumo ficar parvo comigo, a interrogar-me de onde é que é que aquilo saiu, porque não foi de mim concerteza, de maneira que penso que a mão de um anjo substituiu a minha. Tenho ideia que anda uma dor por aí mas não estou certa de me pertencer é uma pérola única. Igual à vida: quantas vezes sinto isto, sem ser capaz de o exprimir. As dores que me pertencem são fáceis, as que não estou certo de me pertencerem custam tanto. Viro-as de um lado para o outro, estudo-as contra a luz, experimento-lhes o cheiro, a consistência, a cor e a dúvida perpétua
-Pertence-me?
a perplexidade, a hesitação, enquanto a dor dói e me faz sofrer para burro.
Estamos muito bem na sala e aí anda ela pelos canto, fazendo de conta que não existe e no entanto a arranhar, a arranhar, ou antes a lacerar-nos todos, a gente para a dor
-És tu?
e não responde, finge que se vai embora e fica, que não nos liga e insiste, que não quer saver de nós e não desanima. Até no meio do prazer, até no meio da alegria permanece, alarga-se, entra mais fundo, com um arzinho distraído, não nos deixa em paz. Para quê falar nisto, o que interessam as minhas dores, de resto?
(....)

(António Lobo Antunes-Uma dor por aí in Opinião/Crónica-Visão-3/09/09)

3 comentários:

  1. Um belo texto, mas que dói mesmo!
    bfs

    ResponderEliminar
  2. Não gostando muito da personalidade do Lobo Antunes, reconheço que ele é um homem particularmente lúcido e sabe exprimir essa lucidez, com palavras medidas e eficazes.

    ResponderEliminar
  3. Gosto muito mais do Lobo Antunes cronista do que romancista. Como explicar? Um está para o outro como o "Retrato do Artista enquanto Jovem" está para o "Finnegans Wake"

    JR

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos