Google+ Followers

sábado, janeiro 19, 2008

Leve os sonhos a sério....


Hotel Terminus, Lobito, Angola.
16 de Março de 2007

(Ardência marítima)

Cheguei ontem a Benguela para visitar um amigo. Hospedei-me no Hotel Terminus, com o cândido propósito de recuperar memórias de infância. Não tive grande sucesso. Lembro-me apenas que naquela época o hotel era maior. O mundo, já se sabe, encolhe à medida que crescemos.
Fui à praia depois do jantar. Não havia ninguém. Estrelas brilhavam na límpida imensidão do firmamento. Consegui distinguir o Cruzeiro do Sul, e Vénus, a quem os antigos chamavam Lúcifer, a que carrega luz. Despi-me e entrei no mar- a água era lisa e tépida- com a sensação de que mergulhava na própria noite. No século XIII escrevia-se noyte. Digamos então que eu me senti mergulhar na noyte, sugado pelo vórtice escuro, e que fechei os olhos e que quando os reabri vi as estrelas a girar ao meu redor. Movia os braços e cada movimento parecia gerar um tumulto de estrelas. Conheço pessoas que passaram por esta experiência e entraram em pânico. Outras, em êxtase. Muitas falam em embriaguez, a maioria em sonho. O fenómeno é provocado por um pequeno organismo unicelular, a nocticula, capaz de emitir luminescência, e chama-se ardência marítima ou, no Sul de Portugal, agualusa. Fiquei muito tempo no mar, divertindo-me como um pequeno Deus inclemente, a criar e a desfazer constelações. Dei-me conta, ao sair, que havia uma esguia sombra de mulher estendida na cadeira ao lado da qual deixara a roupa. Reconheci-a assim que me aproximei: a Bailarina. Vestia um biquini preto, reduzido, com aplicações de missangas, ou outro material semelhante, que pareciam cintilar, vagamente, como pirilampos sob a pele escura. Sentei-me ao seu lado, em silêncio e dessa vez foi ela que falou primeiro.
- Leve os sonhos a sério- sussurrou. -Nada é tão verdadeiro que não mereça ser inventado.

(José Eduardo Agualusa- As Mulheres do meu pai )

1 comentário:

  1. "Nada é tão verdadeiro que não mereça ser inventado."
    Sejamos pois inventores, sempre!
    Lindo.
    Beijinho.

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos