Google+ Followers

quarta-feira, dezembro 23, 2009

Em jeito de mote a " O Vazio do Presépio" de "Ponteiros Parados"


Lá em minha casa foi um pouco diferente. O meu lado conservador está na árvore de Natal e o meu lado revolucionário está no presépio. Ora vejamos porquê.Os meus pais, num acto revolucionário, tinham relegado o presépio para os confins do nenhures. Faziam, contudo, da preparação da árvore de Natal um momento mágico. Cada bola, desembrulhada cuidadosamente, era colocada com todo o cuidado. Nós conhecíamos os enfeites, um a um, e tínhamos por eles o maior dos carinhos. E cada ano comprava-se sempre mais uma ou outra bola que vinha enriquecer o nosso "tesouro". Depois vinham as velas a sério( qual, luzes eléctricas...) que eram acesas num momento especial, sempre com muito cuidado, para que nenhuma pegasse ao pinheiro. Era tão bom aquele momento que chegámos a fazer uma cama junto à árvore para não perdermos nenhum momento. O vazio que mais tarde se gerou foi a dificuldade que senti de voltar a sentir o que sentia nesses tempos.A Árvore, continua a estar  presente cá em casa por esta altura, mas algures a chama apagou-se. A ela veio juntar-se há uns anos valentes um presépio. E porquê? Porque os filhos resolveram introduzir esse cunho humanizado ao Natal- um bebé, um pai e uma mãe e uma família alargada  com muitos bichinhos. A apanha do musgo passou a fazer parte dos novos rituais da casa. Perguntava-me sempre se não estaria a trair a minha tradição, mas encontrava sempre alguma consolação ao descobrir a alegria dos miúdos com a feitura do presépio. Assim, quando se quando fala de " o vazio do presépio" eu leio-o mais como o "vazio da magia". Julgo ser esse o melhor testemunho que poderemos transmitir aos nossos filhos e netos, e essa pode acontecer das mais variadas maneiras, ou então de maneira nenhuma.

4 comentários:

  1. I'm appreciate your writing skill.Please keep on working hard.^^

    ResponderEliminar
  2. A nossa infância oferecia ao Natal a tal envolvência mágica.
    Agora, no que a mim me diz respeito, está um bocadinho mais esbatida, é certo.
    Mas revejo-a todos os anos. Está presente no olhar das crianças.
    E é através dessa inocência de acreditar que ainda surge aquele sorriso generoso e o calorzinho que nos aconchega a alma.

    Feliz Natal :)

    ResponderEliminar
  3. Aqui deixo um beijo natalício e uma palavra de gratidão pela sua amizade.
    Boas Festas

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos