Google+ Followers

terça-feira, dezembro 01, 2009

A dificuldade de pensar o tempo ...


É portanto através de uma figura do excesso - o excesso de tempo- que começaremos por definir a situação de sobremodernidade, sugerindo que, devido às suas próprias contradições, ela oferece um magnífico terreno de observação e, no sentido pleno do termo, um objecto à investigação antropológica. Da sobremodernidade, poderíamos dizer que é a face de uma moeda da qual a pós-modernidade nos apresenta apenas o reverso- o positivo de um negativo. Do ponto de vista da sobremodernidade, a dificuldade de pensar o tempo está ligada à superabundância de acontecimentos do mundo contemporâneo, e não à derrocada de uma ideia de progresso de há muito posta em xeque, pelo menos sob as formas caricaturais que tornam a sua denúncia particularmente cómoda; o tema da história iminente, da história que não nos larga os calcanhares (quase imanente a cada uma das nossas existências quotidianas) surge como um preliminar ao tema do sentido ou do não-sentido da história: porque é da nossa exigência de compreender todo o presenteque decorre a nossa dificuldade de dar um sentido a um passado próximo; a busca positiva de sentido ( da qual o ideal democrático é, decerto, um aspecto essencial), que se manifesta entre os indivíduos das sociedades contemporâneas, pode explicar, paradoxalmente, os fenómenos que são por vezes interpretados como os sinais como uma crise de sentido, e entre outras coisas as decepções de todos os desiludidos da terra: desiludidso do socialismo, desiludidos do liberalismo, desiludidos do pos-comunismo, dentro em breve.

Marc Augé - Não-lugares. Introdução a uma Antropologia da Sobremodernidade)

5 comentários:

  1. Nunca tenho excesso de tempo para mim...

    ResponderEliminar
  2. ((Peço desculpa pelo (não) comentário anterior.))

    Um Tempo prenhe de novos tempos, que ainda não se libertou dos tempos velhos.

    ResponderEliminar
  3. A grande dificuldade de não nos conseguirmos libertar da nossa existência limitada e perecível, limita-nos a capacidade de interpretar adequadamente o imediato e o mediato.

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos