Google+ Followers

quinta-feira, agosto 20, 2009

Do Sítio, a Nazaré

(Aguarelas de Turner)
(Aguarelas de Turner)
(Aguarelas de Turner)
(Aguarelas de Turner)

Numa destas tardes foi pela Nazaré que decorreu a passeata. Tendo a minha praia matriz sido, também, numa terra de pescadores-Sesimbra, muito dificilmente reconheço na Nazaré traços do que se me impregnou em Sesimbra. Nazaré tem um dramatismo que parece estar presente, de uma forma implícita, por todo o lado. O mar manso desta tarde não iludia a presença no meu imaginário de um mar tumultuoso e violento; o Sítio,trazia-me também à lembrança a imagem já desfocada de um desastre com o seu elevador; os rostos misteriosos das mulheres da Nazaré
fizeram-me sentir um quase pudor de as fotografar. Resta-me dar a palavra a José Ricardo Costa que no seu "Ponteiros parados" escreveu e ilustrou um invejável post sobre a sua Nazaré.

3 comentários:

  1. Obrigada por me fazer revisitar a Nazaré - há uns anitos que lá não vou.E paro sempre no Sítio...gosto também do que escreve.E do jeito de ser daquelas gentes. V´belas fotos as suas.

    ResponderEliminar
  2. Não sei de qual goste mais... se das paisagens, se da mulher a quem o tempo acentuou os traços!

    ResponderEliminar
  3. É curioso, que também sinto esse dramatismo na Nazaré. Não sei se por causa de um filme português que vi em miúdo e que retratava a vida perigosa dos pescadores e incluia um naufrágio. Sempre com o pano de fundo das mulheres vestidas de negro.
    Mas gosto destes lugares que tu tão bem fotografaste.

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos