Google+ Followers

segunda-feira, junho 09, 2008

A Flor


A Flor

Entre a erva dos nervos camuflada,
emboscada no túnel de uma veia,
a flor apenas rompe, deslumbrada,
quando o pinhal à noite se incendeia...

Virá a converter-se em depressão,
enfarte do miocárdio, ou embolia,
no dia em que se apague esse clarão
com que a sua presença se anuncia...?

Mas numa artéria já sem movimento,
ou na erva dos nervos recolhida,
descobrirão a flor feita de vento
que em vida me deu morte e me deu vida...

Hão-de enterrar então a flor e o vaso.
E nunca ninguém mais alude ao caso.

(David Mourão-Ferreira- Infinito Pessoal)

1 comentário:

  1. Sublime David... lembrou-me uma flor de vida para uma vida vindoura, que há dias pus numa jarra lá de casa! Beijos.

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos