Google+ Followers

quinta-feira, março 17, 2011

empoleirada nos telhados a enganar os girassóis

     (Van Gogh)

se eu ao relento for uma
mulher a ser inventada, quero
aparecer num amor urgente, não
me esqueças agora que faltarei, pensa 
em mim como alguém que vive no 
futuro e espera, toda a morte é
um milagre


e continuarei dentro de ti


chegarás de quando em
quando, sei-o, depositado
sobre mim como um hábito ou
algo de comer


já to disse, em nenhum 
túmulo caberá a
minha alma, vazarei
pelos tamanhos remediada
com a solidez das coisas
que te tocarem


mas faz-me sempre assim,
empoleirada nos telhados
a enganar os girassóis.


(walter hugo mãe)



4 comentários:

  1. ... mas eu não quero enganar os girassóis!

    ResponderEliminar
  2. Belíssimo! Assim, visto de cima...

    ResponderEliminar
  3. essa poesia tem um frescor, um jeito novo de dizer as coisas, gostei muito, amei

    ResponderEliminar
  4. Somos mesmo um país de poetas! Tantos e bons!!!

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos