Google+ Followers

quarta-feira, novembro 25, 2009

Olhar o rio que é de tempo e água...

                           


                              Olhar o rio que é de tempo e água
                              E recordar que o tempo é outro rio,
                              Saber que nos perdemos como o rio
                              E que os rostos passam como a água.

                             Sentir que a vigília é outro sono
                             Que sonha não sonhar e que a morte
                              Que teme a nossa carne é essa morte
                              De cada noite, que se chama sono.

                              Ver no dia ou até no ano um símbolo
                               Quer dos dias do homem quer dos anos,
                              Converter a perseguição dos anos
                               Numa música, um rumor e um símbolo,

                               Ver só na morte o sono, no ocaso
                               Um triste ouro, assim é a poesia
                               Que é imortal e pobre. A poesia
                                Volta como a aurora e o ocaso.

(Jorge Luis Borges)
                    

2 comentários:

  1. Fiquei vidrada no final deste poema. Obrigada. Belissima imagem.

    ResponderEliminar
  2. A poesia é o (re)começo e o fim.
    Borges é enorme.

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos