Google+ Followers

quarta-feira, abril 19, 2006

És um bosque inerte e vivo...




Na folhagem de um quarto um ovo azul murmura
a aliança da noite com as mãos
nas tuas veias acende-se de uma só vez a seda
és um bosque inerte e vivo no meu abraço
um só perfume de água nos cabelos

Sossego a tua nuca uma haste desliza no tapete
o teu dorso completa-se à volta do teu colo
e eu oiço-te sobre os olhos oiço-te sobre os ombros
a vertente que desce ao silêncio de um lago
a sombra de um barco no último muro da cidade.


António Ramos Rosa ( Respirar a sombra viva )

Sem comentários:

Enviar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos