Google+ Followers

sábado, outubro 22, 2011

De súbito avistamos irisado o Tejo....

    (Aguarelas de Turner)

Aqui e além em Lisboa- quando vamos
Com pressa ou distraídos pelas ruas
Ao virar da esquina de súbito avistamos
Irisado o Tejo:
Então se tornam
Leve o nosso corpo e a alma alada

(Sophia de Mello Breyner- 3º Andamento)

3 comentários:

  1. As águas são sempre um bom refrigério!

    ResponderEliminar
  2. cada poesia nova que eu leio da Sophia M.B. mais eu a admiro

    ResponderEliminar
  3. Nas palavras de Sophia as cores do Tejo são as cores de Lisboa.

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos