Google+ Followers

sexta-feira, agosto 26, 2011

A lua cheia dos meus cantos está no seu fulgor.....



   (Ansel Adams)
Mordeis-me a cauda do fato de sereia?
Que importa! Eu voo no voo do condor.
Escureceis-me o verso onde clareia
A estrela que me deu um trovador?


Que importa! Eu vou no vento. A lua cheia
Dos meus cantos está no seu fulgor.
Que importa a fama- o uivar da alcateia?
De sons vácuos o efémero tambor.


Que importam vãos sinais: menos ou mais.
Eu estou nos quatro pontos cardeais
Prometida ao mundo dos assombros.


Ubíqua de origem e de futuro,
Irei na profecia. Eu sei, eu juro
Pelas estrelas que hão-de levar-me aos ombros.

(Natália Correia- O romper da manhã na noite mística II)

6 comentários:

  1. Gostei tanto que compartilhei seu blog na minha pagina no Facebook. E essa imagem de abertura, coisa mais linda! Certamente é uma aquarela de Turner, mas não sei qual....um abraço

    ResponderEliminar
  2. Gostei de a ler sobretudo quando estou com um pé para partir para as ilhas dela.

    ResponderEliminar
  3. É dos ombros das estrelas que melhor admiramos a lua.

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Para a Ana Maria a resposta: JMW Turner, Norham Castle Sunrise 1825.
    Para a hfm e o jrd um grande abraço.

    ResponderEliminar
  5. Lindo! Só mesmo a Natália para escrever este poema!

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos