Google+ Followers

quinta-feira, março 11, 2010

Os frutos caem de sua própria vontade...

                                       (Redon)
O Amigo                      
1.

Um amigo, o primeiro amigo
dentro da nuvem de um sonho.

O impossível toca-nos as mãos
subitamente — o fogo, a flor concêntrica
de planetas no exílio.

Na terra do silêncio
os frutos caem
de sua própria vontade.


2.
Ao coração das coisas,
ao jugo das cores da memória,
ao pequeno desvio da sombra no deserto,
ao amor que nos alimenta de morte, à morte
que morre connosco
opomos a infinita
constelação
dos nossos sentidos.

Casimiro de Brito, in "Jardins de Guerra"

1 comentário:

Não são permitidos comentários anónimos