Google+ Followers

sexta-feira, outubro 22, 2010

Um verso valerá por uma letra...

                                        

                                            Não tem nome nenhum esta figura
                                            que ainda agora tracei no quadro escuro
                                            nem há lugar na terra onde fique
                                            bem esse objecto que ninguém conhece.
                                            Na história humana não há sinal disto
                                            nem nos sacros anais da neuropsique;
                                            declaram-se venais os tribunais
                                            e vãos, de não saber em que consiste.
                                            Para irritar o mundo, chamo-lhe amor,
                                            às vezes; mas não quero
                                            confundi-lo com outro, por mais puro.
                                            Pouco importa o que escrevo, o que interdito.
                                            Um verso valerá por uma letra
                                            e seremos duendes para sempre.

               (António  Franco Alexandre- Duende)
                                           

1 comentário:

Não são permitidos comentários anónimos